© 2017 por Softbus Consultoria e Informática Ltda

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Instagram - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

Softbus - e-Social

02/05/2019

1/2
Please reload

Posts em Destaques

Novos contratos com empresas de ônibus devem ser assinados em janeiro, diz Bruno Covas

Alterações nos editais, liberados pelo TCM, já estão sendo elaboradas pela Secretaria, que pretende lançar a concorrência novamente em novembro

 

ADAMO BAZANI / ALEXANDRE PELEGI*

 

No mês de janeiro de 2019, os contratos com as empresas de ônibus, dentro de um novo sistema da capital, já devem estar assinados. A estimativa é do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, em entrevista ao Diário do Transporte nesta manhã de sábado, diz 27 de outubro de 2018, durante evento de inauguração da estação São Paulo- Morumbi da Linha 4-Amarela do Metrô de SP.

 

Segundo Bruno Covas, a estimativa para o início do ano será possível se não houver “nenhuma judicialização do assunto”. O prefeito lembrou que “qualquer um que se sinta prejudicado pode recorrer ao judiciário, e o judiciário também pode determinar a paralisação da concessão”.

 

Na quarta-feira, dia 24 de outubro, o TCM – Tribunal de Contas do Município liberou a concorrência dos ônibus que se arrasta desde 2013, mas impôs uma série de ressalvas para alterações nos editais.

 

Relembre: TCM libera licitação dos ônibus de São Paulo

A licitação, que deve mexer com a vida de 9,5 milhões de passageiros por dia, deve ser relançada ainda no mês de novembro de 2018.

 

A intenção da prefeitura é deixar o sistema mais enxuto e eficiente, retirando sobreposições de linhas e readequando a estrutura do sistema, hoje dividido em dois subsistemas – o estrutural, composto pelas empresas que operam com ônibus maiores em linhas que passam pela região central, e o local, das ex-cooperativas que operam nos bairros.

 

Uma das propostas é criar um sistema intermediário chamado local de articulação regional, com ônibus convencionais e médios, para ligar os bairros mais distantes às centralidades regionais, e também regiões diferentes, sem passar pelo centro da capital paulista.

 

O TCM propôs uma série de alterações, como na remuneração das empresas, impondo uma TIR (Taxa Interna de Retorno) de 9,85%, e também pediu critérios mais rigorosos da SPTrans na fiscalização do sistema.

 

Relembre: TCM e licitação dos ônibus: veja as principais ressalvas para a liberação da concorrência

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

 

*Colaborou Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

 

Tags:

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Linkedin
Please reload

Siga-nos
Please reload

Pesquise por Tags