Please reload

Posts Recentes

Softbus - e-Social

02/05/2019

1/2
Please reload

Posts em Destaques

Rodoviários da Flecha Branca aguardam proposta para definir nova paralisação dos serviços em Cachoeiro de Itapemirim

Empresa tem até as 14h de sexta-feira para apresentar solução de pagamento de salários atrasados

 

ALEXANDRE PELEGI

 

Os rodoviários da empresa Flecha Branca, que atua no transporte público da cidade de Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo, suspenderam a greve após acordo feito por videoconferência mediada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) na última segunda-feira, 25 de maio de 2020.

 

Na reunião participaram representantes da empresa Flecha Branca, do sindicato dos motoristas, da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Cachoeiro de Itapemirim (Agersa) e comissão dos funcionários.

 

Como mostrou o Diário do Transporte, motoristas e cobradores da viação cruzaram os braços em protesto pelos salários e auxílio alimentação que estão atrasados, e paralisaram o trabalho na segunda-feira, 25 de maio de 2020. A categoria denuncia ainda que o FGTS e o INSS não estão sendo depositados pela empresa.

Relembre: Cachoeiro de Itapemirim tem greve no transporte coletivo

 

A Flecha Branca deve parte do salário do mês de março e o salário integral de abril. No caso do auxílio alimentação, parte do mês de março foi pago, mas faltam ainda os meses de abril e maio.

 

A sugestão do MPT foi o estudo, por parte da prefeitura e da Agersa, que fiscaliza a concessão do serviço de transporte, do equilíbrio econômico do contrato. A queda no número de passageiros devido à pandemia do coronavírus pesou negativamente no fluxo de caixa da empresa, o que a impede agora de equacionar a questão salarial. A situação vem se repetindo em várias cidades brasileiras.

 

A Flecha Branca tem até esta sexta-feira, 29, às 14 horas, para apresentar uma proposta.

 

Caso a categoria rejeite, e parta para uma greve, a paralisação começaria na segunda-feira, 1º de junho, 72 horas após a comunicação, como determina a Lei.

 

Pelo menos, 30% da frota deverá atender a população.

 

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Tags:

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Linkedin
Please reload

Siga-nos
Please reload

Pesquise por Tags