Greve dos motoristas de ônibus continua em Teresina e transporte é feito com 54 alternativos

Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Rodoviário do Piauí (Sintetro) informou que vai realizar uma assembleia na segunda-feira (6) para decidir sobre retorno parcial.


A greve dos motoristas de ônibus continua em Teresina. A previsão era que, a partir desta sexta-feira (3), haveria retorno parcial da categoria, garantindo 70% da frota nos horários de picos e 30% nos demais horários. Os trabalhadores estão parados há quase 50 dias.


Contudo, nesta quinta-feira (2), o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Rodoviário do Piauí (Sintetro) comunicou que os trabalhadores vão se reunir na segunda-feira (6) para decidir sobre a questão.


O retorno parcial foi negociado durante audiência com empresários e o Ministério Público do Trabalho (MPT) na segunda-feira (29), quando o Sintetro recusou a proposta apresentada, mas aceitou a volta parcial às atividades.


No entanto, o presidente do Sintetro, Ajuri Dias, afirmou que sem o reajuste salarial, o plano de saúde e o ticket de alimentação a categoria não pretende voltar ao trabalho.



"Se nós não tivermos nenhuma garantia em relação aos nossos benefícios nós não retornamos. A gente lamenta essa situação e na segunda-feira faremos uma assembleia com a proposta do MPT e a categoria vai decidir ", disse.


Um dos pontos ressaltados por Ajuri Dias é a necessidade do plano de saúde. "Como categoria que está na linha de frente durante a pandemia a qualquer momento a gente pode ser acometido e não temos uma assistência", declarou.


Ao G1, o coordenador técnico do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Teresina (Setut), Vinícius Rufino, informou que as empresas vão acatar a decisão do Ministério Público do Trabalho e às ordens de serviços emitidas pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans).


Transporte alternativo


Enquanto não há acordo entre os empresários e os motoristas, o transporte público de de Teresina tem sido feito por veículos cadastrados pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans).


De acordo com a superintendência, até o momento, 54 veículos fazem o transporte na capital. A Strans não sabe informar o número de passageiros que têm utilizado o transporte porque essa contagem é feita por meio da bilhetagem eletrônica, que não está disponível nesses veículos.


O pagamento do transporte é feito em dinheiro ou com vale-transporte. Por esse motivo, o sistema alternativo também não permite a integração entre uma linha e outra, aumentando a despesa dos usuários que precisam de dois veículos para se deslocarem.

Posts em Destaques
Posts Recentes
Arquivos
Pesquise por Tags
Siga-nos
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • LinkedIn Social Icon

© 2017 por Softbus Consultoria e Informática Ltda

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Instagram - Black Circle