• ERP SGTBus

Prefeitura de Teresina entra na Justiça para romper contratos com empresas de ônibus

Prefeitura de Teresina entra na Justiça para romper contratos com empresas de ônibus e declarar emergência no transporte coletivo

Greve de ônibus na cidade iniciou em 08 de fevereiro e ainda não há perspectiva de acabar


ADAMO BAZANI


O vice-prefeito de Teresina e secretário de finanças, Robert Rios, postou em redes sociais nesta terça-feira, 02 de março de 2021, a informação de que o poder público entrou na Justiça para romper o contrato com as atuais empresas de ônibus sem indenização e declarar situação de emergência no transporte público da cidade.


O sistema está em greve desde 08 de fevereiro e ainda não há perspectiva de os serviços serem normalizados.

Rios chegou a dizer que os empresários de ônibus são ambiciosos e “querem dinheiro fácil”


“… sei da dor de toda categoria envolvida no transporte coletivo de Teresina, já tentamos ajudar mas a ambição imensurável dos empresários e o costume de ganhar dinheiro fácil com a cumplicidade da prefeitura tem dificultado a solução. Estamos todos esperando uma solução da justiça para interromper o contrato com as empresas sem qualquer indenização e decretar emergência no sistema para voltar a operar sem eles que desaprenderam a ganhar dinheiro na legalidade. A solução do acordo seria melhor, mas jamais faríamos acordo fora da lei e danoso a cidade de Teresina”.


O vice-prefeito ainda escreveu que, em vez de fazer manifestação na frente da prefeitura, os trabalhadores deveriam protestar contra as empresas.


“A sua categoria sempre fez manifestação na porta da prefeitura e nunca na porta da casa dos responsáveis pela paralisação. Tá na hora de repensar todo o movimento, mudar eixos de ação, salvar empregos e construir oportunidades. A paralisação tem perdido força na cidade que aos poucos encontra maneira alternativa de transporte.”


Robert Rios ainda disse que serão contratos veículos do transporte alternativo, até mesmo ônibus escolares, para cobrir as linhas que não estão sendo operadas.


“Essa semana vamos fazer um chamamento público para todos que tem transporte alternativo, até ônibus escolar ou outro, possam ocupar as linhas abandonadas pelas empresas. O foco da prefeitura é atender o usuário que sofre um processo de extorsão e descaso”.


Motoristas e demais funcionários das empresas de ônibus relataram no primeiro dia de greve que não houve o pagamento dos salários de janeiro e dos benefícios, como o vale-refeição.


Os profissionais ainda dizem que não foi fechada a renovação da convenção coletiva de trabalho referente a 2021.

Relembre:


https://diariodotransporte.com.br/2021/02/08/greve-de-onibus-em-teresina-paralisa-100-da-frota-nesta-segunda-08/


Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Posts em Destaques
Posts Recentes
Arquivos
Pesquise por Tags
Siga-nos
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • LinkedIn Social Icon